Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

no souvenir

no souvenir

Pensar fora da caixa

A criatividade e a inovação são fatores fundamentais para a evolução. Podemos ter todos os meios à nossa disposição, as mentes mais inteligentes - o que não quer dizer que sejam as mais brilhantes -, e dinheiro de sobra. Não chega. Se não tivermos criatividade e capacidade de marcar a diferença, não há ideia que avance ou que dê certo. Pensar fora da caixa é tão complicado mas parece tão simples.

 

Ainda estes dias, conversei com alguns colegas de profissão sobre isto. Que é mais fácil jogar pelo seguro do que tentar fazer algo diferente dos parâmetros que já conhecemos. É mais fácil fazer o correto e o que é bem aceite, do que correr riscos e inovar. Inventar, ousar, sair fora do casulo que construímos para nós próprios, revestido de receios e anseios.

 

Nem de propósito, li uma notícia sobre um estudo que tentava desvendar o segredo das grandes tecnológicas que hoje são líderes. Google, Apple, Facebook e Amazon dominam em vários setores, faturam milhões, têm os melhores profissionais, mas nunca descuraram da criatividade e da inovação.

 

De acordo com o estudo Gafanomics, estas empresas pensam diferente e conseguiram criar novas regras de mercado, o que representou um terramoto para as empresas tradicionais. Do lado do utilizador, as gigantes tecnológicas mudaram a forma como encaramos certos serviços e produtos. Conseguiram fazer com que estes fossem essenciais no nosso dia-a-dia, nem que para tal tivessem que abdicar de algum lucro. E pensando bem, é verdade. Quantos de nós já não "vivemos" sem o Gmail, iPhone ou Facebook?

 

Mas o que é essencial hoje pode deixar de o ser amanhã e, por isso mesmo, estas empresas sabem que para fazerem parte do futuro dos seus utilizados/clientes têm de continuar a marcar a diferença, a apostar na criatividade e na inovação. Não é fácil mas, quando temos exemplos assim, vemos que é possível. Talvez não fosse má ideia termos, de vez em quando, a ambição de um gigante (tecnológico). Ou pelo menos, a força para abrir as tampas da (nossa) caixa e começar a ver o mundo que existe fora dela.

 

slide12.jpg