Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

no souvenir

no souvenir

O velho do meu bairro ou a pobreza que não queremos ver

Há quase sempre um velho que vagueia pelo nosso bairro. Pelo menos no meu há e já reparei o mesmo por outras vizinhanças. De barbas grisalhas carregadas, aspecto sujo, maltrapilho, o velho do meu bairro vive nos intervalos da visão. Aqueles que vislumbramos quando desviamos o olhar daquilo que consideramos ser importante. Quando, quase sem querer, olhamos, vemos, mas, rapidamente, viramos a cabeça para outro lado. Já vi o velho do meu bairro a andar por uma ou outra rua, a remexer nos contentores de lixo, já o vi, ao longe, na rua do meu prédio e, num dias destes, ao passar de carro, ia jurar que o tinha visto no telhado de uma casa abandonada.

 

Um louco, sem-abrigo, andarilho, não sei quem é o velho do meu bairro. E provavelmente nunca vou saber. É mais fácil mudar-me de casa e voltar a encontrar um “novo” velho em outro bairro. Porque histórias como esta, vazias de conteúdo e cheias de estereótipos, estão escondidas em cada canto da cidade. Talvez não estejam assim tão escondidas, talvez nós é que não queiramos vê-las. É uma realidade dura, difícil de encarar e para qual muitos não estão preparados para lidar.

 

Mas há quem as encare de frente e, melhor ainda, consiga mostrá-las de uma forma digna. Há quem pegue nos velhos dos nossos bairros e lhes dê cara, nome e uma oportunidade de contarem as suas histórias. É o que acontece num documentário e num ensaio fotográfico de jornalistas portugueses recentemente divulgados.

 

2 metros quadrados”, documentário de Ana Luísa Oliveira e Rui Oliveira, centra-se nos sem-abrigo do Porto. Nas suas histórias, na dignidade possível com que tentam levar as suas vidas e na rede de apoio que existe para ajudar estas pessoas – muitas delas ficaram sem um teto não pelos motivos mais óbvios, mas sim por alguma infelicidade ou percalço da vida.

 

Já em “Roof”, o fotojornalista Mário Cruz encontrou casos de pessoas que vivem em locais abandonados de Lisboa, um teto que, mais do que abrigar, esconde uma pobreza que envergonha o país e passa ao lado de muita gente.

 

Num altura em que somos bombardeados com escândalos políticos e financeiros a um ritmo quase frenético, é necessário que projetos como estes tenham também a divulgação que merecem. Para que deixemos de pensar nestes assuntos só quando nos cruzamos com eles de forma fugidia. Para não desviarmos o olhar do velho do nosso bairro, nem das caixas de cartão ou trouxas de roupa cada vez mais comuns nos cantos e becos da cidade.

 

2 Metros Quadrados_trailer from pixbee on Vimeo.

2 comentários

Comentar post